Espécies de Madeira - Eucalipto - eucalyptus globulus

A árvore, eucalipto, é tipicamente originária da Austrália. Este chegou a Portugal há cerca de duzentos anos. Devido ao clima de Portugal, encontrou as condições ideais para crescer e multiplicar!

As espécies conhecidas, nos dias de hoje, representam largas centenas, podendo afirmar-se que se estimam em mais de 700. Em Portugal existe uma espécie dominante, o Eucalipto Globulus.

A floresta Portuguesa, expandiu, relativamente à ocupação por parte da espécie de eucalipto. É um recurso importante, natural renovável, de importância comprovada, económica, social e ambiental.

Ao longo dos anos tem-se vindo a verificar o aumento da área florestal ocupada pelo eucalipto. Com base em relatórios de 2001, encontra-se o eucalipto como a terceira das espécies florestais dominantes em Portugal, gerando uma ocupação de um sexto da área total da floresta portuguesa.

Nos primeiros lugares, evidencia-se o pinheiro bravo e o sobreiro.

 
Descrição da árvore
Árvore de grande porte, com uma altura que pode atingir os 70 - 80 m em árvores adultas velhas. A casca é realmente lisa, cinzenta ou castanha. As folhas são persistentes e têm forma e aspecto diferentes conforme a árvore está numa fase de crescimento juvenil ou adulta. As folhas juvenis são de forma oval, cor clara e com inserção, no ramo, oposta. As folhas adultas são alternadas, longas, tendo um pecíolo comprido e cor verde brilhante. As flores são grandes e de cor branca. Os frutos são pequenas cápsulas lenhosas
Madeira de eucalipto

Nome cientifico: Eucalyptus globulus

O Eucalyptus globulus e uma folhosa.

Quimicamente as folhosas distinguem-se das resinosas devido a uma maior percentagem de polissacaridos relativamente à lenhina, e por uma constituição diferente das hemiceluloses, no que diz respeito aos açúcares constituintes. É uma das mais importantes espécies de arvores cuja madeira e utilizada no fabrico de pasta para papel.

Composição química

Segundo inúmeros estudos, adquiriram-se valores aproximados, relativamente às propriedades químicas da madeira eucalipto. Contudo estes valores podem variar, relativamente pouco, consoante a localização de recolha da amostra, ou a espécie em questão, entre outros factores.

 
Celulose
Relativamente à determinação da celulose são apresentados valores elevados, na ordem de 50-55%. No entanto, determinações feitas das glucanas, ou seja toda a celulose mais a glucose presente nas hemiceluloses apresentam valores algo mais baixos, entre os 40 e 50%. Na madeira de E. globulus a celulose apresenta valores tipicamente acima de 50%, com determinações a variar entre os 40 e os 60%

Hemicelulose
As hemiceluloses apresentam valores entre 16 e 24%. Outra aproximação à quantidade das hemiceluloses e a determinação das pentosanas, isto é, a parte das hemiceluloses constituida por açucares pentoses. Nas folhosas, como e o caso de E. globulus, as pentosanas representam uma parte significativas das hemiceluloses, com valores próximos de 20%.

Lenhina
A lenhina total corresponde à soma da lenhina solúvel e insolúvel e na madeira de E. globulus tem valores entre 23 e 30%. Os valores próximos de 30% para a lenhina são relativamente elevados para uma madeira de folhosa.

Extractivos
Os extractivos com 2,5 a 5% e as cinzas com menos de 0,5%, completam a análise total da madeira. A madeira de E. globulus apresenta teores de extractivos relativamente elevados, havendo valores registados de 2 a 10%, a maior parte dos resultados estando entre 4 e 6%

Factores intrínsecos da árvore como sejam a idade, factores analíticos como o tipo variedade de solventes usados, ou o momento do ano em que a madeira foi colhida afectam igualmente as quantidades de extractivos determinados.

A fracção dos extractivos de mais baixa polaridade, incluindo “gorduras” e “ceras” é, no geral pequena. Este extracto removido, por exemplo, por diclorometano, tem valores abaixo de 1%, tipicamente próximos de 0,5%. Os extractivos mais polares, removidos pelo etanol e pela água, constituem a maior parte dos extractivos da madeira de E. globulus. Quando feitos sequencialmente, e após a remoção do extracto pelo diclorometano, os extractivos em etanol variam na maioria das analises entre 1,5 e 3% e os extractivos em agua entre 2 e 3,5%


Aspectos físicos
- Cerne e Borne distintos pela cor, cerne pardo, borne branco-amarelado; sem brilho;

- Cheiro e gosto imperceptíveis;

- Elevada densidade

- Dureza ao corte;

- Grão variável: direito, ondulada;

- Textura fina a média.


Características físicas

Densidade
- Verde - 0,858 g/cm³
- Normal - 0,516 g/cm³

Contrações%
- Contracção Volumétrica: 15%
- Radial - 5,712 %
- Tangencial - 8,254 %
- Axial - 0,140 %

Propriedades mecânicas
Flexão estática
- Mód. Resistência - 603 Kgf/cm²
- Mód. Elasticidade - 124.371 Kgf/cm²

Compressão Paralela
- Mód. Resistência - 603 Kgf/cm²
- Mód. Elasticidade - 124.370 Kgf/cm²

Compressão Normal
- Mód. Resistência - 50.4 Kgf/cm²
- Mód. Elasticidade - 594.720 Kgf/cm²

Tração Paralela
- Mód. Resistência - 1180.00 Kgf/cm²
- Mód. Elasticidade - 201.384 Kgf/cm²

Tração Normal
- Mód. Resistência - 26.40 Kgf/cm²

Durabilidade natural e tratamento químico
Madeira susceptível à acção de xilófagos marinhos.
Resistente ao apodrecimento.
As informações sobre resistência ao ataque insectos xilófagos são contraditórias.
O cerne é de difícil tratamento, entretanto, o borne é permeável.

Características de Maquinação:
Madeira com excelentes propriedades de maquinação, no entanto, requer o uso de técnicas apropriadas de desdobro para minimizar os efeitos das tensões de crescimento, bastantes evidentes nesta espécie.
Apresenta boas características de aplainamento, lixagem, furação e acabamento.

Características de Secagem:
As madeiras da espécie de eucalipto são consideradas de secagem difícil, podendo ocorrer inúmeros defeitos como colapso, empenos e fendas.

A secagem em estufa deve ser feita de acordo com programas extremamente suaves, combinando com baixas temperaturas e com alto teor de humidade relativa.

A secagem ao ar é recomendável, ou, o uso de um pré-secador, antes da secagem em estufa.

APLICAÇÕES:
Algumas aplicações do eucalipto tratado: Quiosques, casa de madeira roliça, passarelas, ancoradouros, portais, pontes, escoramento, estrutural, cobertura, ornamental, cercas, pergolas, decks, pisos entre outras.

Entre as aplicações do eucalipto estão siderurgias, carvão vegetal, móveis, portas, armações, postes, dormentes, aplicação rural, construção civil, paisagismo ou como matéria-prima para produção de papel e celulose, chapas e aglomerados, alcatrão, fenóis, tintas, resinas e pigmentos, o eucalipto está presente

Madeira Lamelada Colada - MLC

Conceito

O fabrico da madeira lamelada colada reúne duas técnicas bastante antigas. Como o próprio nome indica, a mesma foi concebida a partir da técnica da colagem aliada à técnica da laminação, ou seja, da reconstituição da madeira a partir de lâminas (neste caso entendido como tábuas).

Chama-se, portanto, “Madeira Lamelada Colada”, reconstituídas a partir de lâminas (tábuas), que são de dimensões relativamente reduzidas se comparadas às dimensões da peça final assim constituída. Essas lâminas, que são unidas por colagem, ficam dispostas de tal maneira que as suas fibras estejam paralelas entre si.

Pelo que se tem conhecimento a sua aplicação concreta teve início no século XIX. O exemplo mais marcante que pode ser citado é o de arcos compostos por lâminas (tábuas) encurvadas e sobrepostas, mantidas unidas por ligações mecânicas. Essa técnica, foi introduzida pelo coronel Emy no final do século passado.


No entanto, a junção das duas técnicas, para dar origem à Madeira Laminada-Colada (MLC) empregue no fabrico de elementos estruturais a serem utilizados na construção civil, só foi possível, com o surgimento de colas de alta resistência. Foi portanto, em 1906, com o aparecimento da cola de caseína (derivada do leite) que o mestre carpinteiro suiço Otto Hetzer teve a idéia de substituir pela cola, as ligações metálicas de braçadeiras e parafusos, utilizadas pelo coronel Emy. Com isso, obteve-se uma secção mais homogênea e sem a ocorrência de deslizamentos entre as lâminas.

Daí para a frente, a MLC evoluiu em paralelo com o progresso ocorrido com as colas, que foram-se tornando cada vez mais eficientes.

No entanto, foi em 1940, com o aparecimento das colas sintéticas que o sistema laminado-colado conheceu o seu grande progresso.

Essa técnica, que de alguma maneira surgiu também da necessidade de utilização da madeira de reflorestamento, basicamente formada por pinus encontrado em abundância em países do hemisfério norte, encontrou nessa madeira de fácil maquinação, a sua grande aliada.


 
Aplicação
A aplicação da MLC pode ser vista sob as mais variadas formas estruturais. O seu emprego vai desde pequenos passadiços, escadas e abrigos até grandes estruturas concebidas sob as mais variadas formas estéticas. São destinadas a cobrir vãos de até 100 metros sem apoio intermediário. Como exemplo, pode-se citar a obra do Hall de Tours, na França, com 98 metros de vão livre, assim como, o Palais d’Exposition d’Avignon, também na França, que tem mais de 100 metros de vão livre. Uma outra estrutura, também arrojada e onde os projectistas souberam bem explorar estética e plasticamente a aplicação da madeira sob a técnica do lamelado-colado, foi na antiga sede do Parlamento Europeu, em Estrasburgo na França. Uma estrutura em arcos, formando um conjunto semicircular, onde aconteciam as reuniões dos parlamentares representantes dos países da Comunidade Econômica Européia.

Apenas para mostrar o potencial do mercado das estruturas de MLC, verifica-se que só na França, chegou a existir mais de 40 indústrias a trabalhar no fabrico de estruturas de MLC, distribuídas nas diversas regiões do país. Essas indústrias atendem ao mercado francês, mas também exportam para outros países como a Bélgica, Argélia e China...

Opções de uso
A escolha de MLC para as estruturas, pode ser de fundamental importância principalmente quando se trata de estruturas expostas a um meio corrosivo, ou então, quando existir o risco de incêndio.

Primeiramente, porque a madeira devido a sua grande inércia química, não apresenta problema de deterioração quando aplicada em meio corrosivo, logo, torna-se o material ideal e de baixo custo de manutenção.

Por outro lado, quando se trata de construções sujeitas a riscos de incêndio, a utilização da MLC na componente estrutural é a mais aconselhada pois a mesma que é um material de reação inflamável, queima rapidamente a camada superficial da peça e em seguida diminui consideravelmente a velocidade de propagação do fogo para o interior da peça. Isto porque, com a formação de uma camada de carvão nessa parte externa, dificulta o acesso do oxigénio ao seu interior e consequentemente a propagação do fogo perde velocidade. Com isso o núcleo interno que resta da peça, é muitas vezes suficiente para resistir mecanicamente cerca de 30 a 40 minutos. Esse tempo é suficiente para se chegar ao foco e com isso combater o incêndio, proceder o salvamento de pessoas e retirar bens de maior valor. Em resumo, as estruturas de madeira são consideradas de reação inflamável mas que guardam “alta” resistência mecânica mesmo no caso de incêndio.

Em situação contrária, por exemplo, de uma estrutura metálica que é de reação não inflamável mas que perde a sua resistência mecânica rapidamente (em cerca de 10 minutos de incêndio) quando em presença de temperaturas elevadas, ou seja, pouco acima de 500°C perde toda a sua resistência mecânica.

Isto tem levado o corpo de bombeiros e as seguradoras de muitos países a privilegiarem as construções com estruturas de madeira, devido ao seu “comportamento perfeitamente previsível” aquando da acção de um incêndio, ou seja, algumas normas prevêem uma propagação do fogo, em madeiras do tipo coníferas, da ordem de 0,7 mm/minuto, velocidade esta que vai diminuindo na medida em que o fogo se propaga para o interior da peça.

Portanto, com base nas normas de comportamento da madeira ao fogo, já existe em alguns países, a consideração de um maior ou menor risco de incêndio e dependendo da finalidade de ocupação da construção, é prevista uma espessura a mais nas dimensões da secção transversal das peças estruturais de madeira. Com isto, sabe-se que mesmo que a madeira venha a ser queimada em 2 cm, por exemplo, o núcleo restante é suficiente para continuar a resistir mecanicamente o tempo que se quiser estimar. Isto faz com que a madeira tenha comportamento perfeitamente previsível. As coníferas, por exemplo, queimam até 2cm em 30 minutos e 3,5 cm em 60 minutos.

Já em termos de resistência mecânica, sabe-se que em termos de comparação do comportamento mecânico da madeira com outros materiais, para elementos estruturais previstos para a mesma finalidade de uso, como por exemplo, uma viga de madeira e uma de aço, com massa que dê o mesmo peso nas duas, observa-se a mesma capacidade de resistência tanto numa como na outra. Da mesma maneira, se for feita a comparação entre uma viga de madeira e uma de betão, com o mesmo volume, observa-se que as duas possuem o mesmo poder de resistência, sendo que neste caso a de madeira fica aproximadamente cinco vezes mais leve que a de betão. Isto significa economia também nas fundações.

Vantagens
Inicialmente, não se pode esquecer que a MLC é antes de mais nada “madeira”, logo, além das vantagens da estrutura ser em MLC é preciso lembrar das vantagens que estão reunidas na própria madeira, ou seja:

- Excelentes características mecânicas em relação à sua baixa densidade, aproxima-se mesmo de certas ligas leves.
- Baixa condutibilidade térmica.
- Ausência de dilatação térmica.
- Características mecânicas muito pouco alteradas em função da temperatura.
- Variação de dimensão na direcção axial perfeitamente desprezável consuante a variação do teor de humidade.
- Uma grande inércia química.
- Uma grande resistência ao fogo e de um comportamento perfeitamente previsível durante o incêndio.
- Um material que consome apenas a energia solar para sua produção e um mínimo de energia mecânica na fase de desdobro e maquinação das peças.
- Uma grande facilidade de manuseio, maquinação e execução de ligações químicas ou mecânicas, até mesmo com outros materiais de construção.

Conforme mencionado anteriormente, além das vantagens do material, a técnica do lamelado-colado confere ainda às estruturas de madeira, as seguintes características:

- Em comparação com as estruturas de madeiras feitas com peças maciças, os elementos concebidos em MLC exigem um número bem menor de ligações, uma vez que são previstos para grandes dimensões.
- A possibilidade de realizar secções de peças, não limitadas pelas dimensões e geometria do tronco das árvores.
- A possibilidade de fabricar peças de comprimento limitado apenas pelas circunstâncias de transporte.
- A possibilidade de obter peças com raio de curvatura reduzido, variável e até mesmo em planos diferentes.
- A possibilidade de vencer grandes vãos livres.
- A eliminação inicial de defeitos naturais, o que permite uma reconstituição que conduz a uma distribuição aleatória dos defeitos residuais, no interior do produto final.
- A possibilidade de tratamento da madeira, tábua por tábua, em autoclave, o que confere enorme eficiência e garantia que pode chegar até 50 anos contra o ataque de fungo e insectos xilofagos.
- Um ganho nas tensões médias de ruptura e uma redução na dispersão estatística de seus valores.
- Sob o ponto de vista a “normalização permite ainda a atribuição aos elementos estruturais de MLC, de uma resistência mecânica ligeiramente superior às da madeira maciça de qualidade equivalente (cerca de 10%).
- A vantagem do pré-fabrico, o que pode ser traduzido em racionalização da construção e ganho de tempo na montagem e entrega da obra.
- É de uma qualidade estética indiscutível, o que pode ser largamente explorado pelos arquitetos e engenheiros, na composição de um conjunto agradável e perfeitamente integrado ao ambiente.
- A leveza dessas estruturas oferece também maior facilidade de montagem, desmontagem e possibilidade de ampliação. Além disso, o peso morto sendo menor, se comparado com outros materiais, pode significar economia nas fundações.



Escolha da madeira e da cola
É possível colar practicamente todas as madeiras. Entretanto, algumas espécies possuem características físicas e químicas que exigem o emprego de colas especiais ou a modificação das colas normalmente comercializadas para o uso em madeiras.
Normalmente, as espécies mais aconselhadas para o emprego em MLC são as das coníferas e algumas dicotiledôneas, com massa volumétrica entre 0,40 e 0,75 g/cm³. De qualquer maneira, devem ser evitadas as madeiras com alta taxa de resina ou gordura.

Em todo caso, como o processo da MLC é pouco utilizado em determinados paises, é evidente que os estudos devem ser realizados no sentido de se proceder a cada região ou estado, uma investigação botânica, química, física e mecânica para a caracterização das madeiras que se possam adaptar melhor a essa técnica. Devem ter destaque nessa investigação, principalmente as madeiras provenientes de florestas plantadas.

Na maioria dos casos a escolha da cola, entre caseína, resorcina ou uréia-formol, e mais recentemente a melamina, depende mais das condições de uso da estrutura do que do tipo da madeira. Logo, é preciso levar em consideração principalmente o meio em que a estrutura vai estar submetida, ou seja, temperatura e teor de humidade.

Portanto, a escolha da cola está directamente ligada às condições em que a estrutura estará submetida, ou seja, se a mesma vai estar abrigada no interior da edificação ou exposta à variação das condições atmosféricas, como, alternância de sol e chuva. Estes, são factores determinantes na escolha da cola.

Processo de fabrico

A produção de elementos de MLC de alta qualidade, necessita de uma indústria especialmente organizada para tal finalidade. Por outro lado, desde que não sejam muitos os elementos a serem produzidos e que não sejam de grandes dimensões, é também possível a sua composição de forma artesanal.

Tratando-se, no entanto, de um fabrico industrial, três grandes etapas devem ser observadas no processo de fabrico das estruturas MLC.

1ª etapa – A preparação da madeira antes da colagem compreende a recepção. A classificação visual, a eliminação dos grandes defeitos, o armazenamento, a secagem, a união longitudinal entre as tábuas e o armazenamento antes da colagem.

2ª etapa – Essa etapa compreende a aplicação da cola, a composição do elemento, a conformação do elemento sobre um gabarito (também chamado berço) e a aplicação da pressão de colagem.

 
3ª etapa – É a fase do acabamento que compreende, aplainar lateralmente, recortar as extremidades do elemento estrutural, executar certos furos e encaixes previstos nas ligações e a aplicação final de um preservante ou simplesmente um selador ou verniz.

A classificação inicial deve compreender a verificação da espessura dos anéis de crescimento da madeira, da inclinação das fibras com relação às arestas laterais da tábua e do diâmetro dos nós. A espessura de cada lâmina depende do raio de curvatura a ser empregue, ou seja, quanto maior o raio de curvatura menor é a necessidade de se ter uma lâmina de pequena espessura.

É preciso que as tábuas estejam com um teor de humidade entre 7 e 14%. De qualquer maneira, é importante que não haja uma diferença entre teor de humidade de tábuas adjacentes, de mais de 5% para evitar o surgimento de tensão nas linhas de cola.

Para se conseguir grandes comprimentos, é necessário executar emendas longitudinais entre as tábuas e que sejam extremamente eficientes.

Essas emendas, que na época do surgimento da técnica da MLC eram executadas apenas de topo, sem nenhuma garantia de continuidade, evoluíram para as emendas em diagonal, depois em cunha e atualmente as mais eficientes, que são realizadas por entalhes múltiplos (finger-joints).

A maquinação dos entalhes deve ser feita com uma ferramenta especial, uma fresa, que deve indicar algo em torno de 8 a 10 Kg/cm².

A etapa final de preparação do elemento estrutural, compreende o acabamento. Nesta etapa, a peça é aplainada lateralmente, tem as extremidades recortadas para dar a sua forma final, assim como, são realizados os furos e entalhes necessários para as ligações entre as peças e também entre o elemento de MLC e o apoio.

O aspecto final depende do produto empregue como proteção fungicida e inseticida, assim como, da aplicação de produtos de impregnação decorativa.

Fonte:
Dr. Carlos Alberto Szücs
Professor Titular da UFSC
Departamento. Engenharia Civil/Laboratório de Experimentação em Estruturas

IKEA vai criar 10 mil postos de trabalho em Portugal

O grupo IKEA vai investir em Portugal 1,1 mil milhões de euros até 2015, duplicando o investimento que previam em 2008 e criando 10 mil postos de trabalho.


"Este investimento de 1,1 mil milhões de euros determina a vontade da IKEA em continuar e em reforçar o investimento em Portugal", disse o responsável pela expansão do grupo sueco IKEA em Portugal, António Machado, em entrevista exclusiva à Agência Lusa.

O plano de investimento em Portugal até 2015 foi actualizado e em vez dos 660 milhões de euros de investimento anunciados em maio de 2008, o IKEA vai aumentar o investimento para 1,1 mil milhões de euros.

"Queremos abrir em Portugal um total de sete lojas IKEA, mais três centros comerciais, nomeadamente o "Mar Shopping" em Matosinhos e Centro Comercial Regional do Algarve, um retail park em Gaia e pôr a funcionar até final deste ano três fábricas Swedwood, um sub grupo do IKEA que fabrica móveis", explicou António Machado.

A quase duplicação do investimento representa um aumento de postos de trabalho diretos que passa de 4 500 previsto em 2008 para os seis mil postos de trabalho directo e mais quatro mil postos indirectos, somando cerca de 10 mil postos de trabalho.

Depois de abrir a loja em Alfragide em 2004 e de Matosinhos em 2007, o IKEA em Portugal estima inaugurar a terceira loja em Loures este verão de 2010.

Uma quarta loja IKEA vai abrir em Gaia, com um retail park, tendo já sido assinado um protocolo com a Câmara Municipal de Gaia, disse António Machado, admitindo que já têm o terreno e que o projecto "está a avançar muito bem".


No sul de Portugal, o IKEA pretende abrir uma única loja com o Centro Comercial Regional Algarve junto ao nó Loulé/Faro, a zona que o grupo sueco defende como a que tem "maior visibilidade e mais acessibilidades".

Na parte industrial, o IKEA recorda que a primeira fábrica Swedwood está a funcionar a 100 por cento em Portugal, a segunda unidade fabril iniciou a produção no início deste ano e a terceira começa a produzir no final do ano.

As três unidades estão espalhadas em cerca de 165 mil metros quadrados e representam um investimento total 135 milhões de euros, dando emprego a mais de mil pessoas, acrescenta.

Ao desenvolver a parte industrial em Portugal, o grupo sueco garante e através de um entendimento assinado com o Governo, o IKEA compromete-se a comprar produtos portugueses para vender nas suas 304 lojas espalhadas pelo mundo.

"Só para este ano o IKEA prevê comprar 100 milhões de euros em produtos portugueses, nomeadamente através das fábricas Swedwood (móveis), mas também porcelanas ou sofás", exemplificou aquele responsável.

António Machado explicou que é importante para o IKEA ter produtos confeccionados nos países onde se inserem as lojas, não só para baixar os custos à empresa, mas também aos clientes.

in  Jornal de Noticias Online
2010-03-10

Exemplos de construções com Composito Madeira-Cimento

Fonte: http://www.viroc.pt/


Caixa Credito Agrícola, de Oliveira Hospital, Portugal


Dono da Obra: Caixa Crédito Agrícola
Gabinete de Arquitectura: Arqto. João Monteiro




Biblioteca da Universidade de Coimbra, Pólo III (Saúde)

Dono da Obra: Universidade de Coimbra
Arquitectos CLCS Arquitectos – Arqta. Benedita



Uma receita de preservação ambiental - Compósito Madeira-Cimento

O que pode fazer para ajudar a preservar o meio ambiente? Pegue num problema socioeconômico, como os altos custos de construção de casas populares, e misture com investigação científica voltada para propor soluções para as questões ambientais. Com essa receita na cabeça, pesquisadores da Faculdade de Engenharia Civil da Universidade Federal do Pará produziram novos materiais que usam residuos das indústrias madeireiras e cerâmicas como matéria-prima para a construção.


"Estimamos que a construção civil seja responsável por até 50% do uso dos recursos naturais em nossa sociedade. Por outro lado, temos processos que beneficiam de diversas substâncias, como o metacaulim e a madeira, que produzem muitos resíduos sem utilidade alguma e representam uma ameaça ambiental. A possibilidade de conquistar uma proposta que tente solucionar dois destes problemas, ao mesmo tempo, certamente deve ser comemorada. Com o tempo, teremos menos necessidade de extrair argila e de abater árvores graças ao desenvolvimento de pesquisas que criem e aperfeiçoem novos materiais", defende o professor Dênio Ramam, do curso de Engenharia Civil.

Mistura de madeira e cimento


Problema: Indústria madeireira aproveita, apenas, 41,5% dos toros, o resto é deitado fora.

Solução: Utilizar os resíduos de madeira para produzir betão, revestimentos, pisos, forros e mobiliário.



Todos os anos, grandes quantidades da madeira retirada das florestas vai parar no lixo. Estima-se que se consuma, anualmente, onze milhões de metros cúbicos desse material, mas o rendimento médio do processamento de um toro é de, apenas, 41,5%. Isso significa que, a cada árvore derrubada, metade do seu peso se converte em tábuas, placas e madeira serrada. Já a outra metade, composta por cascas, galhos, serragens e pedaços disformes de madeira, não é aproveitada. Em 2004, seis milhões de metros cúbicos de madeira saíram das florestas directamente para o lixo. Como aproveitar essas “sobras” de madeira?

Madeira e cimento formam um par indispensável em todas as fases de uma obra: aquela se consagrou em forros e pisos, e este reina absoluto em paredes e vigas. Agora, imagine as possibilidades de um material que una a leveza e a maleabilidade da madeira com a resistência e a durabilidade do cimento? Esse produto chama-se compósito madeira-cimento.

A mistura de madeira e cimento é um dos poucos materiais à prova de incêndios e com propriedade de resitência acústica. Ideal para produzir divisórias, lajes, painéis isolantes, telhas e elementos pré-moldados mais resistentes, baratos e duráveis, e para a produção de betão e argamassa mais leve e fácil de transportar, o que facilitaria, por exemplo, a construção de estradas em locais mais isolados.

Mas esse casamento ideal não é tão simples assim de se obter. As fibras de madeira não podem, simplesmente, ser adicionadas a uma mistura de betão. Isso porque os vegetais acumulam líquidos, produzem açúcares e outras substâncias que são incompatíveis com o cimento. Ao secar, a mistura desfaz-se. Os pedaços de madeira soltam-se e o cimento fica repleto de falhas, comprometendo a sua resistência.

Pesquisadores da Faculdade de Engenharia Civil da UFPA estudam técnicas e adictivos, como o cloreto de cálcio, que permitam esta união tornar-se duradoura.“Recolhemos serragens obtidas na transformação de diversas espécies vegetais. Cada uma reagiu de forma diferente quando misturadas com cimento, sendo que o jatobá, a quaruba e, especialmente, o cedro tiveram o melhor desempenho. Porém, todas elas apresentaram potencial para serem utilizadas na produção de compósitos madeira-cimento”, explica Alcebíades Macedo.

in Beira do Rio - Jornal da Universidade Federal do Pará . Ano VI Nº 80, Fevereiro de 2010

Composto Madeira Plástico - WPC - Produção de granulado

A evolução tecnológica, alta capacidade produtiva e ampla gama de aplicações caracterizam a tecnologia, permite a produção de um composto de alta qualidade. Um granulado com qualidade constante, com aplicação de largo expectro de materiais, e a baixo custo.

O granulado produzido pode ser utilizado pela indústria de transformação em diferentes processos produtivos como extrusão, injeção e produção de placas, resultando em produtos acabados de alto valor agregado.


Quatro etapas distintas caracterizam a tecnologia:

Dosagem dos componentes (fibra natural, material plástico e aditivos), aglomeração, arrefecimento do granulado e separação de finos.
O sistema caracteriza-se pelo projecto modular e compacto. Altas tecnologias de controlo e comando garantem uma produção contínua e automática.

O sistema processa-se preferencialmente com materiais com teor de humidade de até 8%.
O vapor gerado na câmara de aglomeração, proveniente da humidade inicial da fibra natural, é transferido à
atmosfera por meio de uma unidade filtrante.

Eventuais partículas finas de material, aspiradas pela sucção do vapor, são retidas pelo filtro, descarregadas na rosca de alimentação, retornando assim ao processo de aglomeração.
A humidade residual, do material aglomerado produzido, ficará abaixo de 1%.

1) Dosador gravimétrico

2) Filtro

3) Palltruder

4) Moinho granulador

5) Transporte pneumático

6) Classificador tipo cascata

7) Sistema de ensaque

8) Painel de controle



Dosagem


A relação de mistura, tipo de material plástico, tipo de fibra natural e seu teor de humidade, são factores decisivos no desempenho do equipamento.
A utilização de tecnologia de dosagem gravimétrica aumenta a eficiência do sistema Palltruder, garantindo um fluxo de material contínuo, mantendo constante a qualidade do granulado produzido.

Método de operação
A fibra natural, especialmente farinha de madeira, o material plástico na forma de grânulos, flocos, fibras ou pó, assim como lubrificantes e outros aditivos, são dosados homogeneamente ao sistema Palltruder.

Calor resultante de atrito, e alta pressão gerada pela rosca e asa de aglomeração, aglomeram o plástico à fibra natural.

Os filamentos de material aglomerado, formados no processo de passagem por uma matriz perfurada, são então cortados no tamanho desejado, por um dispositivo rotativo de corte.


1) Lâminas rotativas


2) Matriz perfurada

3) Asa de aglomeração

4) Peça de pressão

5) Rosca de alimentação

6) Disco de arrefecimento
 
 
REFERÊNCIA: http://pallmann.com.br/wood_plastic/pdf/ProdWPC.pdf

Composto Madeira Plástico - WPC - Produção de Paineis Com Madeira Plástica

 A primeira etapa para a produção de madeira plástica é a recolha da matéria-prima: plástico. A princípio pode-se usar qualquer tipo de plástico, contudo os mais utilizados são polietileno de baixa densidade e polietileno de alta densidade. Quando o plástico é separado antes de ir para os aterros, vem mais limpo, uma vez que não será misturado com todos os tipos de substâncias. Portanto ter uma estrutura de recolha selectiva é essencial.


Depois de recolhido, o plástico é separado por género. Algumas empresas separam o plástico branco dos coloridos, visto que com o branco pode-se fazer perfis de cores claras.

Em seguida o plástico é lavado e moído, formando granulados (pellets). Caso precise, passa por uma segunda lavagem

 
Produção de Painéis a partir de Composto Plástico-Madeira

Mais eficiência, economia e qualidade são os requisitos do mercado produtor de painéis, confeccionados a partir de composto plástico-madeira.


São três importantes etapas caracterizam esta tecnologia.
• Palltrusion – Produção de composto plástico-madeira (WPC).

• Dispersão – do WPC através de um preciso sistema de dispersão.

• Prensagem – e calandragem do material com prensa de fita dupla.
 
1ª Etapa


A fibra natural, especialmente farinha de madeira, o material plástico na forma de grânulos, flocos, fibras ou pó, assim como lubrificantes e outros aditivos, são dosados homogeneamente neste sistema.

Calor resultante de atrito, e alta pressão gerada pela rosca e asa de aglomeração, aglomeram o plástico à fibra natural.

Os filamentos de material aglomerado, formados no processo de passagem por uma matriz perfurada, são então cortados no tamanho desejado, por um dispositivo rotativo de corte.
 
 
1) Facas rotativas


2) Matriz perfurada

3) Asa de aglomeração

4) Peça de pressão
 
 
A relação de mistura, tipo de material plástico, tipo de fibra natural e seu teor de humidade, são factores decisivos no desempenho do equipamento.


A utilização de tecnologia de dosagem gravimétrica aumenta a eficiência do sistema, garantindo um fluxo de material contínuo, mantendo constante a qualidade do granulado produzido.

Preferencialmente processa-se  materiais com teor de umidade de até 8%.

O vapor gerado na câmara de aglomeração, proveniente da humidade inicial da fibra natural, é transferido à atmosfera por meio de uma unidade filtrante.

Eventuais partículas finas de material, aspiradas pela sucção do vapor, são retidas pelo filtro, descarregadas na rosca de alimentação, retornando assim ao processo de aglomeração.

A humidade residual, do material aglomerado produzido, ficará abaixo de 1%.
 
 Esta estapa consiste no reprocessamento do plástico. Os granulados são levados para uma máquina chamada extrusora, onde serão fundidos e homogeneizados. Os pigmentos e as cargas são normalmente adicionados durante o processo de fundição, mas também podem ser colocados junto com os granulados. A extrusora opera em várias faixas de temperaturas especificadas de acordo com o tipo de plástico utilizado.

 2ª Etapa - Dispersão e prensagem por fita dupla
 
A tecnologia de dispersão é utilizada para distribuir o granulado sobre a cinta inferior da prensa de fita dupla.

Com o auxílio de uma lâmina rígida as cavidades do eixo dispersor são completadas com material. Após ¼ de volta, no sentido anti-horário, o material é escovado por um rolete com cerdas, rolete este também girando em sentido anti-horário. Por acção da força centrífuga desliza por um plano inclinado e simultaneamente é distribuído sobre a cinta.

Eficiência e alta qualidade na produção de painéis de WPC, é somente possível com a utilização de tecnologia automata.

A cinta inferior, de maior comprimento, transporta o granulado de WPC que é uniformemente distribuído.
A superfície inferior da cinta está em contacto com as placas de aquecimento e de arrefecimento.

Enquanto as placas superiores são montadas de forma rígida, as superiores movem-se num sentido vertical juntamente com a cinta superior, de forma a criar um vão compatível com a espessura requerida para o painel.

Um ou mais pares de rolos de calibração são montadas entre as zonas de aquecimento e de arrefecimento.
 


Referencia: http://pallmann.com.br/

Composto Madeira Plástico - WPC - Aplicações

A madeira plástica, apresenta uma enorme versatibilidade, tanto na forma, dimensão, ou aspecto.

Permite a substituição de diversas madeiras raras, em muitas aplicações onde qualquer de suas propriedades, como a resistência à água, sejam desejadas.

A sua comercialização pode dar-se aos mesmos moldes da madeira convencional, e ainda permitir formatos impensáveis para a madeira em determinadas dimensões, como perfis em L, U ou X, tubos arredondados ou quadrados, ou ainda formatos perfis e formatos sob encomenda, já com texturas específicas.
Perfis de madeira plástica similares aos de madeira


Perfis de madeira plástica practicamente impossíveis de ser obtidos com madeira

O que se pode fabricar com este material?

Um dos primeiros objectos em que se verifica o uso de madeira plástica como material alternativo de forma extensiva são os cabos de pincéis. Aqui já se verifica as suas vantagens sobre a madeira, mostrando suas vantagens de não permitir a fixação de tintas comuns e a resistência aos solventes.

A suas maiores vantagens vão expressar-se na produção de objectos externos (a céu aberto, por exemplo), expostos às intempéries, ou internos, quando expostos à humidade elevada. Entre estes dois ambientes, destacamos:

Bancos de praça e de estações de transporte colectivo, móveis de jardim.
Banco de praça ou jardim em madeira plástica.

Instalações para recolha de lixo.

Cesto de lixo público em madeira plástica

Cobertura de pontes e passarelas (e as próprias passarelas, dependendo das dimensões).
Uma passarela de jardim confeccionada em madeira plástica

Escadas, corrimãos, guardas de sacadas, etc, ou qualquer construção diversas onde substitua adequadamente a madeira ou metal.


Decks de piscinas e de banheiros coletivos, como os de instalações esportivas.

Pallets para transporte e armazenamento de mercadorias, com a imensa vantagem de pelas suas características de evitarem pragas, dispensam fumigação, entrave nas atividades aduaneiras, como na exportação de peças industriais. São citados pelos fabricantes que já se beneficiam das propriedades da madeira plástica até a resistência a cargas de 1200 Kg em porta pallets.


Estrados tanto para uso doméstico (em áreas de lavagem de roupas), industriais (industrias de produção de alimentos) como agropecuária (criações de animais, incluindo moluscos, tanto na sua alimentação, quanto limpeza quanto tratamento veterinário).

No segmento da indústria e comércio de produtos alimentícios pode-se destacar talhos, depósitos de bebidas, frigoríficos, mercados diversos e padarias. Nos comércios de grandes superfícies, como supermercados, permite o isolamento de câmaras frigoríficas. Nos serviços em grandes empresas, permite estrados em cozinhas industriais.

Aplicações de madeira de grande volume e onde as propriedades de resistência à tração não sejam significativas, mas a resistência à compressão e uma certa elasticidade sejam desejáveis, como os dormentes ou traves de comboios e metros. Os testes com dormentes em madeira plástica tem apresentado os mesmos parâmetros de dormentes de madeira e a sua vida útil pela própria resistência à humidade e decomposição é estimada em até 50 anos.


Dormentes em madeira plástica


Estacas para tutoramento de plantios e jardinagem.


Permite o fabrico de objectos onde é usual o ferro fundido como material, em aplicações urbanas e sanitárias, como tampas de instalações subterrâneas, tampas de esgotos pluviais, reduzindo seu custo tanto de fabrico, quanto de manutenção e evitando o roubo para a refundição.

Pode ainda ser usado para móveis escolares, com vantagens para a prevenção do vandalismo e higiene

Composto Madeira Plástico - WPC- Vantagens e Desvantagens

Vantagens

A madeira plástica apresenta todas as vantagens que o plástico em si tem: não fende, não é atacado por insectos ou fungos xilófagos, não sofre acção de pragas, insectos nem roedores, é resistente a humidade, maresia e ao apodrecimento, podendo ser utilizada em todos os ambientes hostis à madeira tradicional, e não requer nenhum tipo de tratamento especial. Além disso, apresenta uma maior fixação relativamente a pregos e parafusos, não solta farpas e pode ser trabalhada com as mesmas ferramentas da madeira.

 
A madeira plástica pode ser pintada, mas existe a opção de ser pigmentada durante o processo de fabrico, dispensando pintura. Não precisa ser envernizada.

 
A madeira plástica revaloriza o plástico usado, revertendo em economia nas obtenções de petróleo, do monómero e do polímero. Actualmente, a economia de energia é um factor muito importante, pois vive-se um déficit de energia global.

 
Além do mais, utiliza-se plástico, lixo, recolhido selectivamente, diminuindo a quantidade de plástico das vias públicas, reduzindo a possibilidade de entupimento de escoamentos, de enchentes e de deslizamento de terras. Também diminui o volume de lixo sólido em aterros.

 
Hoje em dia a falta de espaço para a construção desses empreendimentos é um dos maiores problemas das grandes cidades.

 
A reciclagem gera empregos directos e indirectos, com consequente melhoria das condições sócio-económicas da população beneficiada.

 
A vantagem mais importante da madeira plástica é a preservação ambiental. Pelo facto de provir de material reciclado, esta é reciclável, portanto não apresenta desperdício. O material que sobra quando se constrói um objecto volta para o reprocessamento, tornando-se novamente em madeira plástica.

 
As matas e as florestas são de extrema importância para o equilíbrio ecológico do planeta, especialmente para o bom funcionamento climático. Nesse âmbito, a madeira plástica é uma boa alternativa para substituir a madeira, reduzindo sua exploração.


A madeira plástica é resistente à corrosão, que afecta os metais, especialmente os derivados de ferro, como os aços.

É resistente a diversos produtos químicos agressivos, como os ácidos e os álcalis (como a soda cáustica), assim como a muitos solventes tanto de uso doméstico quanto profissional, como o aguarrás. Tal característica permite sua limpeza com simples água e sabão ou qualquer detergente, tanto industrial quanto doméstico. Nesta característica, exactamente como qualquer "tábua de carne" ou como material médico-laboratorial, sua limpeza adequada pode até garantir uma significativa redução de microorganismos, ou mesmo a esterilização química, pois não possui porosidades que abriguem microorganismos e humidade.

Apresenta significativa resistência à exposição ao Sol.

Alta resistência superficial à chuva e humidade (contrariamente à madeira), permitindo ser enterrada, por exemplo, sem grandes cuidados com protecção.

Por ser exactamente um "plástico", possui as qualidades de conservação que são exactamente os problemas ecológicos dos plásticos, como a baixa degradabilidade pelas bactérias, mofos e fungos, insetos e outros. Também não é atacada por roedores e aves.
  
Possui estabilidade estrutural e química no tempo, não empenando (curvatura) pela secagem ou envelhecimento.

Pode ser trabalhada, dentro de determinadas limitações como o aplainamento e a fresagem, com ferramentas idênticas às usadas para os trabalhos em madeira.
Sendo um material passível de ser pigmentado das mais diversas cores e com diversos tipos de pigmentos, como qualquer plástico, não necessita ser pintada (e inclusive, pode impedir a pintura trivial). Pode ser conformada em sua superfície com diversas texturas, como lisas ou rugosas, adequadas a diversas aplicações.

 
Visualmente, pode ganhar aspecto muito semelhante, e dependendo da pigmentação e textura, quase idêntico a madeira.

 
Desvantagens
Apesar de se economizar energia e matéria-prima proveniente do petróleo quando se recicla o plástico, que é uma fonte não renovável, a recolha selectiva requer investimento. O custo médio dessa recolha representa aproximadamente dez vezes o preço da recolha convencional.

 

 
Entretanto o governo deve ter em mente que a recolha selectiva e a reciclagem são um investimento em qualidade de vida, em responsabilidade ambiental e na sustentabilidade futura. Deve-se trabalhar inicialmente com versões simplificadas de recolha selectiva e adoptar uma abordagem do problema de forma gradual. A separação domiciliar, a sensibilização e a compra de lixo em comunidades carentes ajudam na criação de uma cultura de reciclagem. Por isso é essencial que o governo faça campanhas em escolas, bairros e locais de trabalho mostrando a importância da separação do lixo.

 

 

 
Outro ponto desfavorável é o preço da madeira plástica no mercado: equivale ao da madeira nobre. Isso acontece porque a produção ainda é pequena, por falta de conhecimento das pessoas sobre o material e, principalmente, por falta de plástico proveniente de lixo para reciclar.

 
A reciclagem dos resíduos plásticos gera, na maioria das vezes, impactos positivos, contudo também ocasiona problemas que devem ser minimizados, como gastos de água e de energia, bem como geração de resíduos durante a lavagem.

 
Em relação aos gastos de água, sugere-se um tratamento local da água utilizada na lavagem dos plásticos com filtros de areia. Uma solução barata para as pequenas empresas. Essa água poderá ser reutilizada.

 
Quanto ao consumo de energia, os equipamentos podem ser dimensionados para gastar o mínimo possível, o que ocorre na maioria das empresas. É a chamada reengenharia dos equipamentos. Ou então, pode-se utilizar fontes de energia mais limpas, como a solar e a eólica.

 
Já os resíduos sólidos, provenientes da lavagem, podem ser transformados em adubo. Este processo é simples e barato.

Composto Madeira Plástico - WPC - Wood Plastic Composite

Os plásticos estão presentes nos mais diversos produtos e tornam-se um problema depois de serem descartados. De degradação demorada (leva cerca de 100 anos para se decompor), são responsáveis, por exemplo, por problemas como “entupimentos” sistemas de saneamento e água pluviais, que causam inundações nas cidades.
Os resíduos plásticos constituem um importante factor na questão do lixo sólido, pois embora representem apenas cerca de 4% a 7% do peso total dos resíduos (devido à sua baixa densidade e o formato dos artefatos produzidos), acaba por representar até 20% do volume total.

Uma solução para este desafio é a Madeira Plástica ou Madeira Ecológica, que alia aspectos ecológicos, económicos e sociais. Ou seja, trata-se de Madeira Sintética (MS), que no mercado mundial já é amplamente conhecida como WPC (Wood Plastic Composite) - composto de madeira e plástico. A Madeira Plástica tem um mercado extremamente amplo, podendo ser usada, com vantagens, para quase todos os fins da madeira comum e/ou plástico.

O Produto
A Madeira Plástica é um produto novo, ecologicamente correcto, fabricado a partir da transformação de matérias-primas reaproveitáveis (naturais ou não) e de materiais recicláveis (como resíduos de diversos tipos de plásticos e fibras vegetais). Deste processo resultam peças que podem imitar e/ou substituir a madeira natural, com vantagens.

A base do produto é qualquer tipo de plástico reciclável, ao que se podem agregar até 40% de fibras vegetais, tais como: serrim, fibra de coco, bambu, borra de café, sabugo de milho, casca de arroz, raspas de couro, algodão, folhas, e mais uma infinidade de outras.

É possível introduzir corantes na mistura, fazendo qualquer tipo de cor (desde que o resíduo plástico a ser usado seja claro).


Aspectos Ambientais:


Os benefícios ambientais principais são:
O produto evita o corte de árvores, preservando as florestas;
O uso de resíduos contribui para a limpeza do meio ambiente;
Além de usar materiais reciclados, o produto é reciclável;
O processo não gera qualquer tipo de poluição ou resíduos.

Aspectos Genéricos:
Nosso processo utiliza-se de materiais como:

Resíduos plásticos diversos (listados abaixo).
Resíduos vegetais: cascas de cereais, serragem, bagaço de cana-de-açúcar etc.
Resíduos minerais: carbonatos, gesso, fibra de vidro etc.
Resíduos animais: couro, pêlos, penas etc.
Resíduos industriais: borrachas, silicones, PU etc.
Resinas e polímeros utilizáveis:
Em princípio, qualquer plástico é passível de aproveitamento em nosso processo. Todavia, nem todos oferecem as características ideais. Dentre os plásticos, os mais aplicáveis são:

a) PEAD (polietileno de alta densidade);

b) PEBD (polietileno de baixa densidade);

b) PP (polipropileno);

c) PS (poliestireno);

d) ABS (acrilonutrilo butatieno estireno);

e) PA (poliamida = nylon).

Perguntas frequentes respondidas
Ecowood pode ter cores variadas?
Em princípio sim, com a inclusão de pigmentos nas fórmulas. As tonalidades mais facilmente obtidas são as cores escuras (preto, marrom e cinza).

Porque não usar somente plástico na composição?
Porque a combinação de fibras vegetais e plásticos é que faz com que o material tenha aparência e consistência de madeira. Isso permite que o produto possa ser pregado, aparafusado, serrado, enfim, tratado como se fosse madeira natural. Além de manter características do plástico, como ser impermeável, ser imune a pragas, não ter farpas etc. Se usarmos apenas plástico, não terá a mesma resistência, ficará muito flexível, não poderemos usar pregos, ou seja, não será Ecowood.

Eu preciso de ferramentas especiais para usar a madeira plástica?
Não. A madeira plástica pode ser trabalhada com o mesmo ferramental que se usa para a madeira natural.

Pode ser pintado?
Sim, pode ser pintado com diversos tipos de tintas e vernizes.

Qual a manutenção requerida para a madeira plástica?
Não requer nenhum tipo de manutenção, podendo ser utilizada em seu estado original. Entretanto, se houver aplicação de tintas ou vernizes no produto, essa aplicação deverá sofrer manutenção periódica, da mesma forma que ocorre com a madeira natural.

Absorve humidade?
Não.

Como se comporta a madeira plástica na mudança de temperatura?
Não existem estudos relativamente sobre este aspecto. Contudo, segundo testes práticos não aparenta variações nas dimensões dos perfis testados.

Qual o peso da madeira plástica comparada com a madeira natural?
Depende da madeira. Se comparada a madeiras nobres, apresenta peso semelhante. Contudo, na comparação com madeiras menos nobres, a madeira plástica é mais pesada.

Espécies de Madeira - Álamo ou Choupo

Álamo ou Choupo

Álamo, também conhecido como choupo, pertence ao gênero Populus, que é um dos gêneros da Família Salicaceae sendo o Salgueiro, gênero Salix, o outro integrante.
A família Salicaceae faz parte da ordem Salicales do grupo Amentiflorae, caracterizado por flores unissexuais com o perianto ausente ou insignificante. O grupo Amentiflorae pertence a subclasse Monochlamydae, a classe Dicotyledonae, subdivisão Angiospermae e divisão Phanerogamae


Quando falamos de choupo, importa referir que existem três espécies principais espontâneas na Europa: choupo negro, choupo branco e choupo tremedor, cujas designações científicas são, respectivamente, “Populus nigra”, “Populus alba” e “Populus tremula”.


Especificando uma das muitas espécies existentes, o choupo-tremedor (Populus tremula) é pouco exigente, crescendo tanto em solos florestais pobres em nutrientes, secos ou húmidos, como em terrenos alagados e ricos em nutrientes. Em condições favoráveis, pode atingir 20-30 metros de altura e 70-100 anos de idade. A sua madeira é leve, moderadamente flexível, elástica e resistente. As ferramentas gastam-se depressa quando trabalham o choupo, porque a sua madeira contém muita sílica.

Nomes científicos:

Populus tremula – conhecida em Portugal como choupo tremedor é uma espécie que ocorre na Europa e é conhecida como, álamo-tremedor, faia-preta, aspen ou Swedish aspen em inglês. Só é citado numa referência de Portugal  como madeira para instrumentos musicais. Esta espécie tem uma espécie correspondente na América do Norte que é o Populus tremuloides.

Populus tremuloides - também conhecido como American aspen, quaking aspen trembling aspen, golden aspen ou simplesmente aspen, originário da América do Norte. Madeira de cor castanho-claro, veio - recto, é leve, macia e estável. É utilizada para bancos de sauna, palitos de fósforos, aglomerados, polpa para papel etc. Em instrumentos musicais é utilizado para corpo de guitarra.

Descrição da árvore
Os choupos são árvores caducifólias, da família das salicáceas, de crescimento rápido, muito esguias e elegantes, podendo atingir 35 metros de altura. Preferem solos soltos e húmidos e clima soalheiro temperado. As raízes são tremendamente invasoras, pelo que não devem ser plantados junto de edifícios, dado o risco de danificarem canalizações e mesmo alicerces de prédios. O tronco é rectilíneo, de casca rugosa acinzentada, ou branca (choupo branco) e vai ganhando fissuras com a idade. A floração surge antes das folhas, formando amentilhos (espigas simples de flores minúsculas) masculinos ou femininos, em árvores separadas, uma vez que a espécie é dióica. Os frutos são cápsulas bivalves ovais com muitas sementes providas de pêlos em tufo, o que favorece a disseminação pela acção propulsora do vento. As folhas apresentam-se alternadas, pecioladas, cordiformes e irregularmente lobadas. No choupo negro as folhas são verde-escuras.
Os choupos surgem habitualmente nas margens dos rios e lagos, formando vistosas manchas arbóreas que, no Verão, proporcionam sombras muito agradáveis. Alguns choupais ficaram famosos, como os do Mondego que, em Coimbra, serviram de mote a conhecidos fados e canções românticas.


Descrição da madeira:
A madeira recém cortada apresenta uma cor clara, variando de branco, branco amarelada, cinza e rosada, estando esta variação ligada as diferentes espécies de Populus.
Após secagem, a cor se atenua menos nos híbridos euroamericanos. O odor é indefinido, podendo ser pronunciado em alguns híbridos euroamericanos. Devido ao pequeno tamanho dos vasos, a textura é em geral fina a média, sendo o veio regular. Os anéis de crescimento são bastante visíveis, em cortes transversais, devido a uma fina camada de células de parênquima ao final do ciclo.
 
A composição volumétrica da madeira de Populus é caracterizada pela alta proporção de fibras (53% a 60%), seguida pelos elementos de vaso (28% a 34%), células de raio (11% a 14%) e pela baixa proporção de parênquima axial (0,1 a 0,3%).
 
Composição quimica geral

Segundo alguns autores, o Álamo apresenta uma composição química caracterizada pela alta proporção de polissacarídeos (aproximadamente 80% de holocelulose, sendo 50% de celulose e 30% de hemicelulose) e baixa proporção de lignina (20% ou menos). A taxa de extrativos tóxicos a fungos no Álamo é baixa, o que torna a madeira suscetível a decomposição.
 
No choupo encontram-se taninos, cera, óleo essencial, flavonóides, zinco, salicina e outros glúcidos. Importa mencionar que a salicina dá origem ao ácido salicílico, à semelhança do que acontece com o salgueiro.

Aproveita-se o carvão feito das respectivas cascas para curar diarreias, meteorismos e intoxicações. Comprovadamente, actua como antídoto neutralizante de certas intoxicações, pelo seu efeito adsorvente e absorvente.

Os rebentos, ou gemas, têm propriedades diuréticas, sudoríficas, anti-sépticas, analgésicas, cicatrizantes, febrífugas e expectorantes. São, por isso, recomendados para preparar numerosas mezinhas destinadas a aliviar cistites, gota, hipertensão, edemas, faringites, bronquites, enfisema, asma, hemorróidas, queimaduras e males da próstata.

Propriedades Físicas
A madeira é leve e branda, com pouca resistência à flexibilidade e a rigidez, além de possuir uma resistência média ao impacto. Tem uma baixíssima classificação em flexibilidade.

Massa vólumica: 417 kg/m3
A densidade: em estado verde varia entre 1,05 a 0,70 e em estado seco ao ar, varia entre 0,30 e ,55
Retracção volumétrica média: 9 ,2%
Módulo de elasticidade: 8.136 MPa
Dureza: 1557 N

Região de origem:
É uma espécie que pode se encontrada ao longo dos Estados Unidos, mas, para o comércio, no Nordeste dos Estados Unidos.
O choupo ou álamo negro, assim chamado pela cor verde escura da sua folhagem, é uma das três espécies de choupos que crescem espontaneamente na Europa (as outras são o choupo-branco e o choupo-tremedor). É uma árvore que também em Portugal cresce espontaneamente, embora cada vez mais se proceda à plantação de outras variedades e híbridos criados artificialmente, dado o seu interesse comercial. Esse interesse deriva do facto de o choupo ser uma árvore que cresce rapidamente (comparados com as píceas, podem produzir o dobro da madeira em apenas um terço do tempo) e exige pouco trabalho. Normalmente facultam rendimentos apenas 10 anos após o seu plantio.

Num resumo estatístico apresentado pela FAO (2004), no que diz respeito a bosques naturais de Álamo, encontram-se os seguintes dados: a superfície total de álamos naturais é aproximadamente 70 milhões de hectares, correspondendo ao Canadá à proporção de 28,3 milhões de ha (ano base 2001), a Federação Russa com 21,9 milhões de ha e os Estados Unidos da América com 17,7 milhões de ha (ano base 2003). Esses três países informam que a principal finalidade desses bosques naturais é a produção de madeira. A China, que tem a quarta maior superfície de Álamos de origem natural, com 2,1 milhões de ha, informa que a principal finalidade da manutenção desses bosques é ambiental, o mesmo que acontece com os cinco próximos paises que também possuem bosques de Álamo de origem natural: Alemanha (100.000 ha), Finlândia (67.000 ha), França (39.800 ha), Índia (10.000 ha) e Itália (7.200 ha).
Durabilidade
Segundo alguns autores, além do crescimento rápido e grande porte em curto período de tempo, o Álamo pode ser facilmente clonado. Assim, características hereditárias podem ser melhoradas mais rapidamente que em espécies não passíveis de clonagem. Álamos híbridos são especificamente criados para melhorar a resistência a doenças e insetos, bem como para aumentar volume de produção em condições especiais.

A madeira do álamo não é resistente à decomposição do cerne, no entanto é extremamente resistente aos tratamentos com preservadores.

Maquinação:
O álamo ou choupo não se separa quando é fixo com pregos, é fácil de trabalhar mecanicamente mas tem uma superfície levemente irregular. É possível torneá‐lo, aparafusá‐lo e lixá‐lo satisfatoriamente. É fácil de pintar o envernizar, produzindo um bom acabamento, embora exija atenção em superfícies irregulares. O entumecimento vai de baixo a moderado e oferece uma boa estabilidade dimensional. O álamo é um verdadeiro choupo e por isso tem características e propriedades semelhantes às do choupo e do álamo europeu.

Indicações de Uso:
As diferentes utilizações da madeira do Álamo estão condicionadas aos defeitos de forma da árvore e toros, por anomalias anatómicas dos tecidos, por ataques de fungos e insectos e finalmente por tensões internas devido ao crescimento. Os defeitos de forma que dificultam uma transformação regular para a laminação (placas de derivados e fósforos) são o a secção oval do corte transversal e a curvatura dos toros.
A madeira do Álamo pode ser utilizada para um grande número de produtos florestais primários e secundários. Estes produtos incluem polpa e papel, madeira serrada, contraplacado, palhetas, móveis, caixas de frutas, recipientes para cargas e “chopsticks”.

Este tipo de madeira pode ser utilizado em partes de móveis (por exemplo, as laterais das gavetas), portas, molduras para fotografias, marcenaria interior, utensílios de cozinha.


Nos Estados Unidos  usa se para fósforos. Os usos especializados importantes incluem bancos para sauna, pela sua baixa condutividade térmica, pauzinhos chineses para comer, como matéria-prima no fabrico do papel, etc. Com esta madeira fazem-se também tacos de beisebol, instrumentos musicais e brinquedos.