Espécies de Madeira - Cerejeira

Nome Comercial: Cerejeira (P); Cherry (E); Mérisier (Fr).
Nome Científico: Prunus avium
Família: Rosaceae


Origem/Área de distribuição:
Amplamente distribuída pela Europa. Em Portugal, localiza-se no Norte e nas montanhas da Beira Interior, encontrando o seu óptimo nas zonas onde a influência atlântica domina a mediterrânica

DESCRIÇÃO DA MADEIRA
O borne pouco distinto, apresenta uma cor que pode variar entre o castanho esbranquiçado e o avermelhado.
O cerne é de cor vermelho intenso a castanho avermelhado escurecendo quando exposta à luz
O fio da madeira é direito e o grão é fino e suave.
Possui um odor e gosto muito ligeiro.
Medula: pequena e circular.
Dureza: medianamente dura e medianamente pesada.


CARACTERÍSTICAS TECNOLÓGICAS
A serragem não apresenta dificuldades particulares, sendo considerada bastante fácil de executar. A secagem é rápida e fácil de executar, apresentando um ligeiro risco de empeno. Não apresenta problemas durante a fase de mecanização, apresentando elevada aptidão para a curvagem, e produção de folha por corte plano. Apresenta elevada resistência ao choque, é uma madeira dura a muito dura. A colagem e acabamento realizam-se sem dificuldades, a pregagem e torneamento estão classificados como regulares.

PROPRIEDADES FÍSICAS
Densidade / Massa Volúmica (12% H): 500-560 Kg / m3
Coeficientes de Retracção:
Volumétrica 11,5 %
Tangencial 4 %
Radial 7 %

PROPRIEDADES MECÂNICAS

Flexão Estática 91 N/mm2
Módulo de Elasticidade 9.000-11.410 N/mm2
Força de Corte 12 N/mm2

«Nota: Os valores apresentados são apenas um valor aproximado, podendo variar ligeiramente consoante a amostra em estudo.»

APLICAÇÕES

A cerejeira é uma espécie muito popular e ornamental, sendo a sua madeira muito procurada desde o século XVII. Hoje em dia, é utilizada em trabalhos delicados para estruturas interiores, folheado, mobiliário, embutidos, artigos decorativos, corrimões de escadarias e instrumentos musicais. Também se usa em oficinas de tornearia e marcenaria.




OBSERVAÇÕES
As belas linhas dos veios de Cerejeira e os ocasionais grupos de nós diminutos, diferenciam a madeira de cerejeira de qualquer outra madeira de folhosa. Apresenta um aspecto sedoso. O aplainamento das faces transversais apresenta tendências a abrir fendas. O Ponto de saturação das fibras situa-se nos 30% de humidade. Boa recepção de produtos de revestimento.

É uma madeira de estabilidade média. Na maquinabilidade, em caso de forte irregularidade, não reduzir o ângulo de ataque a mais de 20o.

Tem um difícil aplainamento nas faces transversais com tendência para abrir fendas. É uma madeira que vai de mediamente nervosa a nervosa, com uma anisotropia alta. As camadas de crescimento são visíveis, de contorno regular e definido.

Quanto à retracção volumétrica é muito retráctil, sendo tanto a tangencial como a radial médias. Apresenta uma boa recepção aos produtos de revestimento, ceras e vernizes, tendo ainda um bom polimento.

As belas linhas dos veios da cerejeira, causam um estranho fascínio. Os ocasionais grupos de nós diminutos com os veios e zonas de resina, tornam a madeira da cerejeira diferente de qualquer outra madeira de folhosa. A superfície, depois de tratada, apresenta um aspecto sedo

1 Comentário:

Anónimo disse...

Achei muito intersante e instrutivo os dados fornecidos, deixou-me esclarecida.

muito obrigado e parabens pelo trabalho